PAINTED SKIN

畫皮

China, 2008

Diretor : Gordon Chan

Elenco : Donnie Yen, Vicky Zhao Wei, Betty Sun Li, Zhou Xun, Chen Kun, Qi Yu Wu

Clique Para Ampliar

Pros leitores mais desinformados, Painted Skin é o filme mais recente de Donnie Yen, dirigido por Gordon Chan e também o candidato oficial de Hong Kong pra concorrer ao prêmio de melhor filme estrangeiro no Oscar de 2009. Caso ainda não tenham visto o trailer :

Painted Skin é baseado no conto do mesmo nome presente no livro Estranhos Contos De Liao Zhai, um livro escrito por Pu Songling no fim do século XVII. Embora divulgado como um remake do Painted Skin dirigido por King Hu em 1993 (seu último e aparentemente mais deprezado filme), o enredo dessa nova versão é consideravelmente diferente, por isso prefiro pensar que são 2 filmes diferentes baseados no mesmo conto.

Wang Sheng (Chen Kun) é um general que, ao dizimar um campo de bárbaros com seu exército, resgata de suas garras uma jovem prisioneira chamada Xiao Wei (Zhou Xun). Num misto de pena e desejo, Wang leva a bela jovem pra casa sem saber que ela na verdade é um demônio que precisa se alimentar periodicamente de corações humanos para manter a aparência humana.

Donnie Yen

Por esse gesto heróico, Xiao Wei se apaixona por Wang Sheng e deseja se tornar sua esposa. O problema é que Wang já é casado com Pei Rong (Vicky Zhao Wei), que por sua vez é um antigo amor de Pang Yong (Donnie Yen), um ex-general que é recrutado de volta à cidade pra investigar uma série de assassinatos cometidos por um outro demônio (Qi Yu Wu), que arranca corações para levar à sua amada Xiao Wei.

Para auxiliar Pang Yong na caçada ao assassino, entra em cena Xia Bing (Sun Li, aquela adorável garota cega em Fearless), uma inexperiente caçadora de demônios que possui uma espada especial que é a única arma capaz de matar demônios.

Devido ao tema sobrenatural, Painted Skin é comumente classificado como um filme de horror com ação, quando na verdade é uma grande estória de amor que não deixa nada a dever às novelas coreanas mais bregas. É um desfile de amores platônicos que tem grandes chances de agradar ao público mais emotivo que adorou o romance em O Clã Das Adagas Voadoras (The House Of Flying Daggers).

Resumindo a teia de relações : Wang Sheng é amado por Peirong e Xiaowei, que são, respectivamente, amadas por Pang Yong e o demônio serial killer. E por fim, até a caçadora de demônios Xia Bing demonstra uma grande afeição por Pang Yong, por quem é salva diversas vezes ao longo do filme.

Horror mesmo esse filme tem muito pouco. Ação então, menos ainda! No entanto, confesso que gostei de Painted Skin. Apesar de ter poucas cenas de ação, a direção de Gordon Chan é segura o bastante pra conduzir a estória sem cansar o espectador, e a estória se desenrola num ritmo bem mais rápido do que eu esperava.

Aliás, em muitos momentos tive a sensação de que o filme foi bastante resumido na sala de edição, pois muitas cenas têm cortes abruptos, como se tivessem sido obrigados a encurtar o filme pra ter a duração enxuta de 103 minutos, bem abaixo dos filmes recentes do gênero. Talvez tenha sido isso mesmo, pois agora acabou de sair em Hong Kong um DVD director's cut duplo com 15 minutos a mais.

A atuação dos atores está excelente (o que talvez explique a escolha desse filme como candidato ao Oscar), com destaque pra Vicky Zhao Wei, que declarou em entrevistas que a tocante amargura de sua interpretação foi resultado de uma tática nada gentil do diretor. Durante as filmagens, que duraram 2 longos meses de inverno, o diretor e a equipe simplesmente não davam a mínima atenção à Vicky.

Quando ela acabava de filmar suas cenas, todos simplesmente a ignoravam. Ninguém ia lá conversar com ela, bricar, contar piada, nada. Ela caiu em depressão e foi necessária a presença de sua família nos sets pra ter condições psicológicas de continuar as filmagens. Segundo suas palavras, a dor da solidão foi tão grande que todas as lágrimas que vemos no filme são reais!

Vicky Zhao numa das cenas mais emocionantes de Painted Skin

A atuação de Zhou Xun como a astuta Xiao Wei também está excelente. Ela consegue transmitir apenas com o olhar sentimentos tão diferentes entre si como sensualidade, doçura, vulnerabilidade e sagacidade.

Zhou Xun

Os efeitos visuais estão ótimos, sem nenhum exagero. O destaque é o visual de Xiao Wei sem a pele humana, simplesmente horripilante. Aliás, a própria cena em que Xiao Wei tira a pele diante do olhar horrorizado de Pei Rong é excelente.

Xiao Wei tirando a pele (esq) e "pelada".

O único ponto negativo, como citei acima, é a falta de seqüências de ação. Painted Skin tem pouquíssimas lutas, e infelizmente nenhuma delas memorável. Basicamente, quem odiou o trailer (e pelo que vi na comunidade de filmes de kung fu no Orkut, não foram poucos!) vai igualmente odiar o filme todo, pois as poucas lutas são todas com espadas e cheias de cordinhas.

Os fãs que achavam que a partir de agora Donnie Yen seguiria apenas a linha mais "pé-no-chão" que vimos em Comando Final (SPL) e Flashpoint vão ficar desapontados.

Descontando apenas esse detalhe, Painted Skin é um ótimo filme que vai agradar em cheio as pessoas que gostam de uma bela estória de amor, daquelas em que no final a moral é "O amor vence tudo". Parece brega? Tudo bem, pode até ser, mas eu gostei! Qual o problema de ser romântico de vez em quando?

Nota : 7,5

[ ver mensagens anteriores ]
Visitante número:



 
UOL