Bizarrice que assisti recentemente

WE’RE GOING TO EAT YOU

(Kung Fu Cannibals)

Capa JaponesaCapa de HK

Capa Japonesa e Capa de Hong Kong

 

Hong Kong, 1980

Direção : Tsui Hark

Elenco : Norman Chu, Eddy Ko, Hon Gwok Choi, Melvin Wong, Tai Bo

 

Tsui Hark é um diretor realmente excêntrico! É difícil definir o “estilo Tsui Hark” quando se fala de seus filmes. Como acreditar que o mesmo cara que dirigiu filmaços como Seven Swords, Guerreiros à Prova De Balas (Once Upon a Time In China), The Blade – A Lenda (The Blade) e O Tempo e a Maré (Time And Tide), também tenha dirigidos filmes plenamente esquecíveis como O Mestre (The Master) e bombas como Máscara Negra 2 (Black Mask 2 – City Of Masks)?

 

Norman Chu & Eddy Ko

We’re Going To Eat You foi o segundo filme dirigido por Tsui Hark e talvez um dos mais cult de sua carreira. A razão para isso é simples : além de ser um de seus filmes mais obscuros, o tema é bem incomum em sua carreira e até há poucos anos atrás era difícil encontrar uma versão decente desse filme. Em Hong Kong, esse filme foi lançado em DVD pela Mei Ah em 2004, numa cópia muito bem conservada em widescreen anamórfico (antes disso só existia em VCD fullscreen). Aqui no Japão, esse mesmo DVD só foi lançado agora por causa desse atual revival de filmes de zumbis e canibais causado por filmes como Terra Dos Mortos e a versão remasterizada de Cannibal Holocaust. É interessante, mas no Japão as lojas costumam juntar num balcão tudo relacionado a um filme que está fazendo sucesso. Na época do Harry Potter, as lojas colocavam nos balcões todos os filmes da série, todas a revistas com Harry Potter na capa e todos os livros de J.K. Rowling. Quando o hit do momento era o Kung-Fusão (Kung Fu Hustle), nas lojas tinham um balcão recheado com todo o seu catálogo de filmes de kung fu. Com o sucesso de Terra Dos Mortos, os balcões agora estão cheios de filmes de zumbis e canibais.

 

Norman Chu é um agente da polícia que está atrás de um bandido chamado Rolex (Melvin Wong), aparentemente escondido em uma vila isolada na China. Ao chegar na vila, começa a notar atitudes suspeitas nos habitantes da vila até descobrir que todos são canibais que adoram comer carne de forasteiros.

Ao ler a sinopse acima, a primeira impressão é que o We’re Going To Eat You é um filme pesado, extremo e com doses maçicas de gore.

A seqüência de abertura, quando vários homens mascarados matam e desmembram dois sujeitos perdidos na floresta, também passa essa sensação.

A trilha sonora (gritos desesperados sobre um fundo musical mórbido) também é perturbadora. E, seguindo o exemplo de filmes italianos de canibais, tem uma cena em que matam animais de verdade. É exatamente nessa seqüência de abertura, quando os canibais pegam umas galinhas que os forasteiros estavam carregando e simplesmente as jogam na panela, escaldando-as vivas!

Jogando as galinhas vivas na panela fervente!

Antes de comprar o DVD eu não tinha lido muita coisa sobre esse filme, só sabia que a influência de O Massacre Da Serra Elétrica (The Texas Chainsaw Massacre, 74) era grande. E é mesmo, como dá pra se perceber logo de cara nos assassinos mascarados, nos ganchos de açougue espalhados pelo matadouro, e na fotografia relativamente crua.

Mas pra quem, como eu, esperava um pouco mais de sangreira explícita, pode ficar levemente desapontado. Não que a violência esteja ausente, já que as mutilações são infinitamente mais bem feitas e realistas do que, por exemplo, A História De Ricky (Story Of Ricky/Riki-Oh, 92), mas é que na verdade, We’re Going To Eat You é uma comédia de humor negro!!!!

Até aí, nada de mais. O problema é que o senso de humor dos filmes de Hong Kong do fim dos anos 70/começo dos 80 é meio difícil de digerir. Tsui Hark tenta fazer graça de forma grosseira e quase todas as situações são forçadas. Exemplo? Vejam abaixo esse travesti gigante, interpretado por Hsiao Chin, que tenta abusar sexualmente de todos os homens que cruzam seu caminho!!!

Por outro lado, esse filme tem mais kung fu do que eu esperava! Em O Massacre Da Serra Elétrica, todo mundo só foge do Leatherface, mas em We’re Going To Eat You, pra não fugir do estilo Hong Kong de ação, todas as vítimas em potencial ou lutam, como o agente 999 (Norman Chu), ou tentam escapar da morte à base de malabarismos, como o vigarista interpretado por Hon Gwok-choi.


As lutas, muito bem coreografadas por Corey Yuen, são bem ao estilo intrincado do começo dos anos 80. Intrincadas, mas por vezes irreais, não convincentes. Em vários momentos os canibais podiam muito bem ter cortado o agente 999, mas alguns dos facões são manejados como se fossem da Ópera De Pequim! Mas do quê estou reclamando? As lutas são bem criativas e divertidas!



Uma das primeiras lutas é também uma das mais interessantes, que é quando Norman Chu é pego numa armadilha, fica preso em cordas e aparece um dos canibais mascarados com uma trouxa recheada de facões de diversos tamanhos.




O canibal escolhe um facão enorme e parte pra matar Chu, que tenta se desviar como pode pra não morrer.



A luta final entre Norman Chu e Eddy Ko também é ótima.




Em alguns momentos a criatividade de Hark chega a lembrar o clã Yuen. Numa seqüência em que os heróis precisam fugir dos famintos habitantes da vila, eles calçam patins (será que existiam patins na época em que se passa o filme? Apesar de que no filme não se especifique a época...) e aprontam a maior algazarra. Tem até uma citação bem humorada a Wong Fei Hung, com direito à música-tema e tudo o mais!




Em suma, We’re Going To Eat You é um filme bem divertido, mas que não foi explorado do modo que deveria. Se Tsui Hark tivesse deixado a comédia de lado e investisse num clima mais soturno, como no seu terceiro e desconcertante filme Dangerous Encounter Of The First Kind/Don’t Play With Fire (um dos filmes mais amargos que já vi!), esse filme seria um grande clássico não só do cinema de ação de Hong Kong, mas também do gênero horror-gore!




Nota : 6.5



CURIOSIDADE

O título japonês de We’re Going To Eat You é Moeyo! Shokujinken. Essa tradução japonesa se baseia no título alternativo Kung Fu Cannibals, pois “shokujinken” pode ser grosseiramente traduzido como “O Punho Do Canibal”. Já a primeira parte do título, “moeyo”, é uma referência ao clássico de Bruce Lee, Operação Dragão (Enter The Dragon, 73), que no Japão se chama Moeyo! Doragon. Numa tradução livre, seria algo como “Detone! Dragão”. Inclusive, na capa japonesa, o designer deu um jeito de enfiar a imagem de Bruce Lee num detalhe!!! Dêem uma sacada aí embaixo:

Aqui, uns lobby cards:

[ ver mensagens anteriores ]
Visitante número:



 
UOL